Família Ernest Dias Faz Homenagem a Villa-Lobos na Caixa Cultural Brasília

03-02-2009 00:00

A CAIXA Cultural recebe nos dias 7 e 8 de fevereiro o projeto musical que reúne a família Ernest Dias em uma homenagem ao cinquentenário de morte do compositor Heitor Villa-Lobos. Aproveitando a ocasião, o evento também celebra os 80 anos da musicista Odette Ernest Dias, uma das maiores flautistas do Brasil. O concerto Tributo a Villa-Lobos, patrocinado pela CAIXA, será realizado no Teatro da CAIXA, em Brasília, no sábado, às 20h e no domingo, às 19h.


O projeto Tributo a Villa-Lobos será apresentado por Odette Ernest Dias e Jaime Ernest Dias, que serão acompanhados por convidados especiais, as flautistas Andréa, Beth, Cláudia, o fagotista e flautista Carlos (todos eles filhos de Odette) e a pianista Elza Gushikem, que comemoraram, junto com o público de Brasília, os 80 anos da matriarca desta família musical.


A união da comemoração não é apenas uma coincidência de datas. Villa-Lobos e Odette compartilham de pontos em comum em suas respectivas trajetórias. A começar, tiveram referências musicais semelhantes no início de suas carreiras, como Bach e Debussy. Na década de 50, Odette chegou a se apresentar para Villa-Lobos, tocando obras do próprio compositor.


Entre as músicas que compõem o repertório estão: Prelúdio nº 5, de Villa-Lobos (solo de Jaime Ernest Dias), Só Para Moer, de Viriato Figueira, e a célebre Chorei, de Pixinguinha. Essa não é a primeira vez que a família Ernest Dias se apresenta junta. Recentemente, o grupo musical se apresentou em Belo Horizonte. Depois da apresentação na CAIXA Cultural Brasília, a família segue para o Teatro da CAIXA de Curitiba.

 

Odette Dias

A francesa Odette Ernest Dias nasceu em 1929, e formou-se pelo Conservatório Nacional Superior de Música, que lhe concedeu o Primeiro Prêmio de Flauta em 1951. Chegou ao Brasil na década de 70, contratada pelo maestro Eleazar de Carvalho para integrar a Orquestra Sinfônica Brasileira. Tornou-se professora do Departamento de Arte da Universidade de Brasília em 1974.


No Rio de Janeiro, foi membro das orquestras das Rádios Tupi, Mayrink Veiga e Nacional, e da TV Globo. Participou de inúmeras gravações com artistas brasileiros populares. Desenvolveu intensa atividade como solista de orquestra, recitalista e camerista, tendo fundado a Camerata do Rio. Foi professora do Conservatório Brasileiro de Música e dos Seminários de Música Pró Arte.


Convidada a integrar o corpo docente da Universidade de Brasília em 1974, lá atuou até 1994 como professora titular de flauta, estética e musicologia.


Discos gravados como recitalista: Recital, Sarau Brasileiro, História da Flauta Brasileira, Afinidades Brasileiras, Carlos Gomes, Modinha Sem Palavras, Sonatas de Bach, Le Rossignol, Paisagens Noturnas e Odette Ernest Dias.

 

Jaime Ernest Dias

O violonista, compositor e arranjador Jaime Ernest Dias é de uma família musical. Sua mãe, a grande flautista Odette Ernest Dias, possibilitou desde cedo um ambiente privilegiado para desenvolver seus dons naturais.


A intimidade, conquistada em quase 30 anos dedicados à música, imprimiu singularidade especial às composições que interpreta, aliando talento e técnica. Na década de 1990, Jaime excursionou pelo Brasil e pela Europa, realizando turnês na Suíça, França e Suécia.


Na mesma época, apresentou-se no Carrefour Mondial de la Guitarre, na Martinica, onde realizou concertos e uma masterclass sobre música brasileira. Ainda nos anos 90, a convite do Festival de Inverno de Ouro Preto, coordenou a masterclass Orquestra de Violões. Hoje em dia é músico bastante requisitado nos espaços culturais da cidade e desenvolve trabalho de reconhecida.

 

Heitor Villa-Lobos

Heitor Villa-Lobos nasceu em 5 de março de 1887, no Rio de Janeiro. O violão era o instrumento preferido do compositor (ao lado do violoncelo - que aprendera na infância e lhe dera algum sustento na juventude). Aprendeu as primeiras lições de música com o pai, Raul Villa-Lobos, funcionário da Biblioteca Nacional.


Villa-Lobos foi um dos primeiros arautos do choro, apaixonado que era pelo estilo daqueles boêmios improvisadores que ele seguia desde garoto, de violão em punho. E continuou seguindo já músico profissional. Depois dos concertos, saía pelas ruas para fazer serenata, seresta, choro.


O músico só se deu conta do seu sucesso quando viajou para Paris, a capital cultural da Europa, na década de 20. Desembargou na França, em 1922, muito confiante de seu sucesso. Afinal, já dominava perfeitamente as técnicas de Debussy.


Foi na Europa que teve a consciência da importância da música brasileira. Ao voltar ao Brasil, no final de 1924, ele procurou os arquivos do Museu Nacional, do Rio de Janeiro, para ouvir as gravações de músicas indígenas feitas por Roquette-Pinto durante expedição Rondon em 1911.

 

SERVIÇO

Show “Tributo a Villa-Lobos”, com a família Ernest Dias
Data: 07 e 08 de fevereiro de 2009
Horário: sábado, às 20h e domingo, às 19h
Local: Teatro da CAIXA - SBS Qd 4 lote 3/4, anexo do edifício Matriz da CAIXA
Recepção: (61) 3206-9448 - Administração: (61) 3206-9450
Bilheteria: (61) 3206-6456 (aberta de terça-feira a domingo, das 12h às 21h)
Ingressos: R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada para estudantes, pessoas com 60 anos ou mais, empregados da CAIXA e doadores de 1 kg de alimento não perecível)
Classificação Etária: Não recomendado para menores de 14 anos


Informações e Entrevistas

Jaque Dias - (61) 9988-9618
Anagélica Rodrigues - (61) 8432-3158


Assessoria de Imprensa da Caixa Econômica Federal

CAIXA Cultural - Brasília/DF
Tel.: (61) 3206-9895 / 8030 - (61) 8101-9902
imprensa.cultura@caixa.gov.br
www.caixa.gov.br/caixacultural